Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

G1 - Número de reconhecimentos de paternidade cai 62,8% na região de Piracicaba na pandemia

Publicado em: 23/08/2021
 
ueda ocorre após dois anos consecutivos de aumento; associação de registradores aponta como um dos motivos as limitações impostas pela crise sanitária.
 
O número de reconhecimentos de paternidade na região de Piracicaba (SP) teve uma queda de 62,8% na comparação entre 2019 e 2020. Os dados são da Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo (Arpen-SP), que aponta como uma das causas a pandemia de coronavírus.
 
De acordo com as estatísticas, 565 pessoas receberam o sobrenome do pai na certidão de nascimento em 2019, enquanto no ano passado foram 210. Em 2021, de janeiro ao dia 11 de agosto, foram 144 registros.
 
A queda recente ocorreu após dois anos consecutivos no aumento de registros, entre 2017 e 2019.
 
A cidade que lidera entre os registros de paternidade é Limeira, que teve 108 em 2020 e 74 até agosto deste ano, seguida por Piracicaba, com 35 ano passado e 38 em 2021.
 
Segundo os dados de registro civil mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número de nascimentos entre 2018 e 2019 apresentou uma queda de 5,6% na região. O registro de reconhecimentos de paternidade, no entanto, engloba pessoas de qualquer idade.
 
Reflexo da pandemia

Para Eliana Lorenzato Marconi, diretora da Arpen/SP, além da queda no número de nascimentos, a pandemia também contribuiu para a redução dos reconhecimentos de paternidade.
 
"Eu digo isso porque o reconhecimento de paternidade hoje é feito exclusivamente no cartório. Então, independe de manifestação do Ministério Público e de autorização judicial. E esse comparecimento tem que ser pessoal, perante o oficial de registro. E com a pandemia isso ficou mais difícil, até pelas dificuldades de locomoção, de horário e de restrição. E até fazendo uma análise mais ampla, pela diminuição dos nascimentos", explica.
 
Entre as justificativas mais recorrentes para a dificuldade de formalizar este registro, ela também cita a perda de contato do pai com mãe e filho.
 
Acesso a políticas públicas
 
Eliana também explica que a certidão de nascimento é um documento que que vai levar a pessoa a exercer seus direitos de cidadão e a falta do nome do pai nela pode dificultar acessos a políticas públicas. "Hoje a certidão de nascimento é emitida com o CPF, o que possibilita para ela estar incluída em programas sociais e de assistência na saúde".
 
A queda também ocorre em um cenário de simplificação deste tipo de procedimento no estado de São Paulo, iniciado em 2012.
 
Segundo a diretora da associação, com a mudança, o pai pode comparecer a qualquer cartório para fazer o que é chamado de manifestação de vontade. Para declarar que é o pai ele só precisa estar com os documentos de identificação. Se a criança for menor de idade, a mãe tem que consentir. E se o registrado for maior de 18, precisa ter a anuência dele.
 
"Com isso, o oficial colhendo essas informações, apresenta os documentos, a anuência, e o oficial já faz averbação. Não tem envio para a Justiça. É tudo feito exclusivamente no cartório. Em três dias, esse reconhecimento já está no registro de nascimento da criança", detalha.
 
De acordo com ela, o custo gira em torno de R$ 140, mas varia conforme a inclusão de impostos municipais.
 
Investigação de paternidade
 
Eliana também explica que os processos de investigação de paternidade, atualmente, são iniciados a partir do registro da criança no cartório.
 
"No momento do registro de nascimento, se eles [pais] não forem casados e a mãe comparece sozinha, a gente tem obrigação de perguntar pra ela quem é o pai e ela vai indicar esse pai. Ela faz uma indicação com nome, com a qualificação que ela saiba e o registro que ela saiba, e a gente envia isso para o juiz. A gente chama de indicação de suposto pai".
 
A partir daí, o pai é intimado a comparecer diante do juiz para reconhecer ou não a paternidade. "Se for reconhecido ele manda pra gente e a gente faz a averbação, não reconhecendo aí o Ministério Público entra com uma ação de reconhecimento de paternidade", explica a diretora da entidade.
 
No passado, segundo ela, era preciso contratar um advogado para ajuizar uma ação específica para esta finalidade.
 
Na contramão
 
Já a quantidade de reconhecimentos de paternidade por casais sociafetivos têm ido na contramão e aumentado, segundo a diretora da Arpen-SP.
 
"A gente tem novas famílias. A família tradicional não é mais aquela. Então, por essas novas famílias e essas relações de carinho e de afetos, vem sendo comum e as pessoas têm se utilizado bastante sim".
Nesse caso, a única diferença é que o cartório só pode registrar pessoas a partir dos 12 anos.
 
Entenda como fazer em cada caso
 
  • Iniciativa do próprio pai: Basta que ele compareça a qualquer Cartório de Registro Civil com a cópia da certidão de nascimento do filho. Se a criança for menor de idade, é necessário o consentimento da mãe. Em caso de filho maior, basta o consentimento dele.
 
  • Pai quer fazer o reconhecimento, mas não tem anuência da mãe ou do filho: Caso é enviado a um juiz, que decidirá a questão. É possível que a concordância da mãe - caso o filho seja menor - ou do filho - se ele for maior de idade - seja obtida em Registro Civil diferente daquele onde consta o registro de nascimento.
 
  • Mãe quer que o pai reconheça seu filho menor de 18 anos: Deve ir ao Cartório de Registro Civil com a certidão de nascimento do filho e preencher um formulário indicando o nome do suposto pai. É iniciado um processo de investigação de paternidade.
 
  • Filho maior de 18 anos quer pedir o reconhecimento: Deve levar a certidão de nascimento a um Cartório de Registro Civil e preencher o formulário indicando o nome do suposto pai. O cartório encaminhará o formulário preenchido para um juiz, que consultará o suposto pai sobre a paternidade que lhe é atribuída. Esse procedimento geralmente dura cerca de 45 dias.

Fonte: G1 – Piracicaba e região
Deixe seu comentário
 
 
418840

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539
E-mail: arpensp@arpensp.org.br

Nº de Visitas: 150.091.867
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

AU ONLINE - Cartórios do Brasil estão autorizados a registrar crianças com o sexo ignorado

LEIA MAIS