Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Jurisprudência mineira - Apelação - Ação de reintegração de posse c/c anulação de escritura pública de compra e venda - Aquisição de imóvel sem vaga de garagem - Erro - Inexistência

Publicado em: 20/07/2015
APELAÇÃO - AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO DE POSSE C/C ANULAÇÃO DE ESCRITURA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA - AQUISIÇÃO DE IMÓVEL SEM VAGA DE GARAGEM - ERRO - INEXISTÊNCIA

- Somente o erro essencial, devidamente comprovado, pode servir de fundamento para a anulação do negócio jurídico, principalmente em se tratando de direitos disponíveis e sendo os agentes pessoas maiores, capazes e em pleno uso de suas faculdades mentais, como é o caso.

- A mera insatisfação da autora com o negócio realizado não condiz com a alegação de vício de vontade, que exige, para sua confirmação e aptidão para ensejar alteração ou rescisão do negócio jurídico, prova robusta e convincente da sua ocorrência.

Apelação Cível nº 1.0024.12.302568-6/001 - Comarca de Belo Horizonte - Apelantes: Antônio Luiz dos Santos, Orlando Pereira da Silva e outro, Paulonício de Melo, Antônio Roberto Dias de Almeida, Geralda Valentim Lopes de Melo - Apelada: Milena Matozo Alvarenga - Relator: Des. Alberto Henrique

ACÓRDÃO

Vistos etc., acorda, em Turma, a 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais, na conformidade da ata dos julgamentos, à unanimidade, em rejeitar a preliminar e dar provimento ao recurso.

Belo Horizonte, 21 de maio de 2015. - Alberto Henrique - Relator.

NOTAS TAQUIGRÁFICAS

DES. ALBERTO HENRIQUE - Cuida-se de recurso de apelação, interposto por Orlando Pereira da Silva e outros contra a sentença de f. 313/323, proferida nos autos da ação de reintegração de posse c/c ação de anulação de escritura pública de compra e venda ajuizada por Milena Matozo Alvarenga, perante a 12ª Vara Cível desta Capital, que julgou procedente os pedidos, determinando que os requeridos se abstenham de colocar os veículos na vaga 3 ou impedir a utilização da mesma pela autora, sob pena de pagamento de multa de R$1.000,00 por cada descumprimento; declarou nulas as alterações de números R- 4-116.323 e Av 5116.323 feitas na Matrícula 116.323 e retificações de instituição do condomínio e convenção de condomínio AV 8 Protocolo nº 364.309, de 05.07.2012, e AV 9.108.117 Protocolo nº 364.309, de 05.07.2012, efetuados na Matrícula 108.117 e determinar que os réus providenciem o cancelamento das mesmas, no prazo de 30 dias, sob pena de multa diária de R$100,00, limitada a R$10.000,00; condenou os réus ao pagamento das custas e honorários fixados em R$1.000,00 para cada um.

Embargos declaratórios interpostos às f. 324/326 e rejeitados à f. 327.

Inconformados, recorrem os réus (f. 328 e seguintes), afirmando que, no contrato de compra e venda assinado pela autora, consta expressamente que ela não teria direito à vaga de garagem.

Alegam que o apartamento foi anunciado por um preço inferior visto não possuir vaga de garagem.

Sustentam que a venda da garagem foi efetuada em consonância com os ditames legais.

Afirmam a necessidade de uma ordem judicial para o cancelamento dos registros imobiliários declarados nulos.

Arguem a ilegitimidade passiva do apelante Paulonício.

Argumentam que não cometeram esbulho, visto que a autora não possui direito à vaga de garagem.

Preparo regular à f. 341.

Sem contrarrazões.

É o relatório.

Conheço o recurso próprio e tempestivo.

Preliminar.

Ilegitimidade passiva. Réu Paulonício.

Arguem os apelantes a ilegitimidade passiva do réu Paulonício. Sem razão, todavia. A autora pretende a declaração de cancelamento do registro nº R-4116.323, referente ao contrato de compra e venda de vaga de garagem celebrado entre Orlando Pereira da Silva e outro e Paulonício de Melo e outra. Portanto, descabida a alegação de ilegitimidade passiva.

Visto isto, rejeito a preliminar.

Mérito.

No mérito, tenho que assiste razão aos apelantes.

Com efeito, tenho que não comprovou a apelada nenhum vício ou nulidade do contrato de compra e venda que pudesse levar à anulação da rerratificação das vagas de garagem.

Não houve prova, na espécie, do vício de consentimento a ponto de levar à anulabilidade, porque ausentes os requisitos do erro ao qual se reportou a autora.

O anúncio do apartamento era claro ao dispor sobre a inexistência de garagem (f. 207/208), esclarecendo, inclusive, que “o apartamento não tem vaga de garagem e nem estacionamento, o preço deste imóvel com garagem é de 290 mil, está sendo vendido por apenas 230 mil, grande oportunidade, [...]”.

Da mesma forma, o contrato celebrado entre as partes (f. 21/25) é claro ao discorrer, em letras garrafais e em negrito, que o apartamento “não tem vaga de garagem” (f. 21), o que é novamente afirmado na cláusula 9.4 (f. 24).

Ora, não é crível supor que a autora, representante comercial e, portanto, experiente, assinou os documentos esperando que o contrato fosse posteriormente substituído com as alterações requeridas, principalmente a atinente à vaga de garagem. 

O certo é que a autora não negou, em nenhum momento, as assinaturas lançadas no contrato. Em nenhum momento, comprovou que teria sido coagida a assinar aqueles documentos. Assim, não há falar em ilegalidade.

Ademais, necessário assinalar que são dois os defeitos que podem inquinar o ato negocial. Um atinge a própria manifestação da vontade e influi no momento em que se exterioriza a deliberação do agente, denominando-se "vício de consentimento". O outro afeta o ato negocial em si, salientando a desconformidade do resultado pretendido pelo agente com o ordenamento legal, sendo chamado "vício social".

Embora a doutrina faça essa distinção entre os tipos de vícios, o Código Civil regula-os de forma conjunta. Nos termos do art. 171, é anulável o negócio jurídico por incapacidade jurídica do agente, ou por vício resultante de erro, dolo, coação, estado de perigo, lesão ou fraude contra credores.

Na hipótese em análise, alega a recorrida ter incidido em erro no momento da celebração do contrato, visto que acreditou que a promessa de compra e venda seria posteriormente substituída.

Sobre o "erro", vale trazer à baila o ensinamento de Caio Mário da Silva Pereira:

"O mais elementar dos vícios do consentimento é o erro. Quando o agente, por desconhecimento ou falso conhecimento das circunstâncias, age de um modo que não seria a sua vontade, se conhecesse a verdadeira situação, diz-se que procede em erro. Há, então, na base do negócio jurídico realizado, um estado psíquico decorrente da falsa percepção dos fatos, conduzindo a uma declaração de vontade desconforme seus verdadeiros pressupostos fáticos. Importa na falta de concordância entre a vontade real e a vontade declarada. [...] Para que torne defeituoso o ato negocial, e, pois anulável, o erro há de ser, primeiro, a sua causa determinante e, segundo, alcançar a declaração de vontade na sua substância, e não em pontos acidentais (Código Civil, art. 138). É o que se denomina erro essencial ou substancial (definido pelo art. 139), em contraposição ao erro acidental" (Instituições de direito civil. 20. ed. Rio de Janeiro: Forense, v. I, p. 517;519).

Portanto, somente o erro essencial, devidamente comprovado, pode servir de fundamento para a anulação do negócio jurídico, principalmente em se tratando de direitos disponíveis e sendo os agentes pessoas maiores, capazes e em pleno uso de suas faculdades mentais, como é o caso.

No entanto, não verifico tal erro na hipótese. Além disso, noto que, se houve o erro, ele foi determinante diante também da negligência da autora ao não exigir as alterações no contrato antes de assiná-lo.

Dito isso, ao que parece, a autora assinou o contrato, sem a vaga de garagem, de forma livre e tinha pleno conhecimento de suas consequências.

A propósito:

“Ementa: Ação de rescisão contratual. Contrato de compra e venda de fundo de comércio. Alegação de erro por parte do comprador. Ausência de comprovação. Improcedência do pedido. - Nos termos do art. 171 do novo Código Civil, é anulável o negócio jurídico por incapacidade jurídica do agente, ou por vício resultante de erro, dolo, coação, estado de perigo, lesão ou fraude contra credores. Porém, somente o erro essencial, devidamente comprovado, pode servir de fundamento para a anulação do negócio jurídico, principalmente em se tratando de direitos disponíveis e sendo os agentes pessoas maiores, capazes e em pleno uso de suas faculdades mentais” (Apelação Cível n° 1.0518.06.101243-2/001 - Relator: Des. Duarte de Paula). A mera insatisfação da autora com o negócio realizado não condiz com a alegação de vício de vontade, que exige, para sua confirmação e aptidão para ensejar alteração ou rescisão do negócio jurídico, prova robusta e convincente da sua ocorrência. 

A propósito:

“Ação ordinária - Nulidade - Negócio jurídico - Vício de consentimento não demonstrado - Nulidade afastada. - A teor do que determina o art. 333 do Digesto Instrumental Civil, imputa-se ao autor o dever de comprovar os fatos constitutivos de seu direito e ao réu a demonstração da existência de evento impeditivo, modificativo ou extintivo do direito autoral. - Não restando comprovadas as alegações apresentadas na exordial e constatando-se que o negócio jurídico realizado não foi eivado de vícios, não há que se falar em sua anulação” (Apelação Cível nº 2.0000.00.495481-0/000 - Relatora: Des.ª Teresa Cristina da Cunha Peixoto).

Com relação à necessidade de aquiescência da autora para realização da transferência da vaga de garagem, laborou em equívoco o MM. Juiz a quo.

O art. 1.331 do Código Civil atualmente vigente dispõe nos seguintes termos:

"Art. 1.331. Pode haver, em edificações, partes que são propriedade exclusiva, e partes que são propriedade comum dos condôminos.

§ 1º As partes suscetíveis de utilização independente, tais como apartamentos, escritórios, salas, lojas e sobrelojas, com as respectivas frações ideais no solo e nas outras partes comuns, sujeitam-se a propriedade exclusiva, podendo ser alienadas e gravadas livremente por seus proprietários, exceto os abrigos para veículos, que não poderão ser alienados ou alugados a pessoas estranhas ao condomínio, salvo autorização expressa na convenção de condomínio".

Verifica-se, pois, que a lei permitia que as partes da propriedade condominial destinadas à utilização exclusiva fossem livremente alienadas e gravadas pelos proprietários, e, com muito mais razão, entre os próprios condôminos, razão pela qual prescindível a anuência dos demais condôminos, podendo tal ter sido concretizado mediante simples instrumento particular entre os proprietários.

Com tais considerações, rejeito a preliminar e dou provimento ao recurso para reformar integralmente a sentença e julgar improcedentes os pedidos iniciais. Inverto a sucumbência.

Custas recursais, pela apelada, observado o disposto na Lei 1.060/50.

DES. ROGÉRIO MEDEIROS - As particularidades do caso em debate me levam a acompanhar o judicioso voto do Des. Relator. 

Registro que o contrato de promessa de compra e venda do imóvel, por duas vezes e, inclusive, com grafia em caixa alta, registrou que o imóvel estava sendo adquirido sem vaga de garagem. Tal situação foi verificada no abatimento do valor do bem.

Além disso, chamo atenção para a ausência de qualquer menção à malfadada vaga de garagem no laudo de vistoria do imóvel. 

Outrossim, chamo a atenção para o fato inconteste de que a apelada alugava vaga de garagem no prédio e, também, friso que, a meu sentir, durante a instrução do feito, não foi produzida prova que pudesse atestar que a autora, representante comercial, foi levada a erro ao entabular o negócio jurídico. Ao contrário, na audiência, foi dispensada a produção da prova oral.

Ademais, segundo a convenção de condomínio, inexiste qualquer previsão quanto à inalienabilidade de vagas de estacionamento.

Por fim, registro que o culto Relator aplicou bem o direito à espécie quando entendeu pela redução do percentual da multa contratual que recaíra sobre a parte apelada.

Assim, acompanho na íntegra o voto do ilustre Relator.

DES. LUIZ CARLOS GOMES DA MATA - De acordo com o Relator.
Súmula - REJEITARAM A PRELIMINAR E DERAM PROVIMENTO AO RECURSO. 

Fonte: Diário do Judiciário Eletrônico – MG
Deixe seu comentário
 
 
485734

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539
E-mail: arpensp@arpensp.org.br

Nº de Visitas: 150.447.902
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Jurisprudência mineira - Agravo de instrumento - Ação de reparação de danos - Óbito do réu no curso do processo - Habilitação - Herdeiro - Inexistência de partilha - Espólio - Possibilidade

LEIA MAIS