Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Cartórios em Araraquara e Itápolis registram crianças com dupla maternidade

Publicado em: 18/03/2016
Antes de ser publicado o Provimento nº 52 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em 15 de março de 2016, a Justiça paulista já havia avançado nesta seara e determinado o registro de crianças nascidas por fertilização in vitro em nome de duas mães, levando em consideração as evoluções no Direito de Família.
 
Dois casos mais recentes ocorreram nas cidades de Araraquara (1º Subdistrito) e Itápolis. Em ambos os casos, uma das mulheres passou pelo processo de fertilização in vitro com doação de sêmen anônima. Em Araraquara, a criança foi registrada apenas no nome da mãe que deu à luz e foi aberto processo para que se incluísse o nome da outra mãe. Já em Itápolis, o processo foi aberto no cartório quando uma das mães procurou a serventia para registrar a bebê.
 
Contrariando o posicionamento do Ministério Público, os juízes da 3ª Vara Cível de Araraquara, Paulo Luis Aparecido Treviso, e da 2ª Vara Cível de Itápolis, Gustavo Abdala Garcia de Mello, decidiram pelo deferimento dos pedidos.
 
Na decisão araraquarense, o juiz levou em consideração os “princípios da afetividade e da dignidade da pessoa humana, por prestigiar a igualdade de filiação”. Além disso, “não se vislumbra qualquer risco ou prejuízo à criança com a inclusão de dupla maternidade em seu assento de nascimento”.
 
O nascimento da criança de Araraquara ocorreu em 13 de novembro de 2015 e a decisão do juiz é de 1º de março de 2016.
 
Já na sentença do juiz itapolitano foi citada a evolução jurídica. “O Direito de Família evoluiu drasticamente nos últimos anos, adaptando-se à uma realidade que desde longa data não se encaixava nas vetustas classificações ‘numerus clausus’ de nossa legislação”, sentenciou o magistrado. “Forçar as partes a ajuizarem ação de adoção unilateral ou outra providência na esfera jurisdicional seria por demais formalista, para não dizer inócua. Se assim o é, nada impede seja determinado que a filiação da infante reflita a realidade social e afetiva, sem que isto implique em usurpação do poder jurisdicional por parte do juízo corregedor.”
 
Neste caso a decisão de 15 de fevereiro de 2016 antecipou o nascimento da criança.

Segundo a Oficiala de Itápolis, Mariana Undiciatti Barbieri Santos, ela e os funcionários procuraram viabilizar o desejo das mães de forma administrativamente, sem terem que recorrer a advogados. "Ficamos muito felizes em ver a alegria das mães e ajudar de alguma maneira a formar essa família, que já é constituída de muito amos", disse a Oficiala.
 

A Oficiala Mariana Undiciatti Barbieri Santos ao lado das mães Andréa Daniela Porta e Camila de França Conti Porta e sua filha

Fonte: Arpen-SP
Em 19/03/2016 09h27
Sou oficiala de registro civil e tabeliã do Distrito de Tapinas, pertencente à comarca de Itápolis-SP e louvo a iniciativa de minha colega, Dra. Mariana, bem como a importante decisão do Juiz Corregedor Permanente, Dr. Gustavo, o qual também é corregedor da serventia que sou titular. Decisões como estas dignificam e valorizam a atividade, mostrando o quanto o Judicial e o extra podem trabalhar de mãos dadas em busca da cidadania.
Autor: VIVIANE JACOBSEN GALACINI DEL ROVERE
Profissão: Oficiala e tabeliã
Cidade - Estado: ITÁPOLIS - SP
Deixe seu comentário
 
 
409563

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539
E-mail: arpensp@arpensp.org.br

Nº de Visitas: 150.351.651
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Novo CPC muda rotinas no STJ em favor dos cidadãos e advogados

LEIA MAIS