Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

Manifestação de vontade e Lei Brasileira de Inclusão foram debatidas em live na última quarta (08)

Publicado em: 10/07/2020
Na última quarta-feira (08.07), a Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo (Arpen-SP) e o Instituto Brasileiro de Direito de Família São Paulo (IBDFAM/SP) realizaram transmissão ao vivo sobre o tema: “A manifestação de vontade no RCPN e a Lei Brasileira de Inclusão”.
 
A live teve participação de Lia Cristina Campos Pierson, professora da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie e membro do IBDFAM; Mariana Undiciatti Barbieri Santos, oficial de Registro Civil em Itápolis/SP, pós-graduada em Direito Notarial e Registral EPM e diretora da Arpen-SP; e Daniela Mucilo, advogada, mestre pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), secretária do IBDFAM/SP e da Comissão de Direito de Família da Ordem dos Advogados do Brasil – seção São Paulo (OAB/SP). A mediação foi realizada por Marcelo Salaroli, oficial de Registro Civil em Jacareí/SP e diretor da Arpen-SP.
 
No início da transmissão, Salaroli reforçou a noção de que a atividade do Registro Civil se baseia, muitas vezes, na colheita da manifestação de vontade das partes envolvidas. “A partir da declaração recebida em balcão, vai ser formado um documento oficial e de fé pública, daí a importância do cuidado que devemos tomar em nosso serviço”, disse o oficial.
 
Neste mês, a Lei Brasileira de Inclusão completa cinco anos de existência. Salaroli lembrou que o artigo 83 da norma se dirige diretamente aos serviços notariais e de registro, declarando que as serventias não podem se negar a prestar os atos às pessoas com deficiência, uma vez que essas devem ter reconhecida sua capacidade legal plena.
 
Ao tratar da lei, o registrador civil ressaltou, também, o paradoxo da proteção e da inclusão, trazido por sua interpretação. Isso porque pode ser considerado que a forma como as pessoas com deficiência eram tratadas anteriormente à lei, ao requererem atos do Registro Civil, dava uma garantia maior de proteção a elas, porém sem serem efetivamente incluídas na sociedade; enquanto que, após 2015, as pessoas com deficiências podem usufruir de maior inclusão aos atos da vida civil, mas, com menor proteção.
 
Na sequência, Mucilo relembrou que a lei tratada derivou de uma convenção internacional de direitos humanos, o que demonstra sua relevância. Ela também comentou sobre os três tipos de deficiência existentes: física, intelectual e sensorial. “Considerar que pessoas com deficiência física possuem plena capacidade eu considero muito inclusivo, mas penso que isso não pode ser ampliado de forma irrestrita para as outras deficiências existentes. É preciso um cuidado, uma análise”, explicou.
 
Em seguida, Pierson trouxe à live reflexões a respeito de como as pessoas com deficiência devem ser tratadas em meio à sociedade. “Temos que entender o que é deficiência, aceitar essas pessoas como iguais a nós e incluí-las. Acredito que a inclusão depende muito da aceitação e do entendimento de quem são essas pessoas”, afirmou a professora.
 
A registradora civil de Itápolis/SP trouxe à conversa exemplos de situações vividas pelos registradores civis, ao lidarem com pessoas que possuem algum tipo de deficiência, e questionamentos sobre como elas devem ser enfrentadas. Santos também comentou sobre as ações de curatelas que envolvem tais usuários, e até que ponto os curadores podem tomar decisões em nome dos interessados.
 
Por último, também foi debatida na live a questão dos atos do Registro Civil que envolvem pessoas com deficiência, realizados anteriormente à vigência da Lei Brasileira de Inclusão, e suas repercussões na atualidade.
    
Clique aqui e assista à íntegra da transmissão no YouTube da Arpen-SP

Fonte: Assessoria de Imprensa
Deixe seu comentário
 
 
962318

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539
E-mail: arpensp@arpensp.org.br

Nº de Visitas: 150.350.419
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Clipping – R7 - Cartórios vão atuar na proteção patrimonial dos idosos

LEIA MAIS