Boletim Classificador

Acesse

Boletim Eletrônico

Cadastre-se
Busca

IBDFAM - Viúvo de servidora consegue direito a pensão por morte após 25 anos

Publicado em: 01/12/2020
O Supremo Tribunal Federal – STF garantiu, na semana passada, o direito de um homem a receber pensão pela morte da esposa, que era servidora no estado de Minas Gerais. O autor da ação contra o Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais – IPSEMG pedia a anulação de decisão monocrática que cassou acórdão favorável ao direito dele de ser declarado pensionista.

Segundo os autos, a mulher morreu em dezembro de 1994, durante a vigência da Lei Estadual Mineira 9.380/1986. A norma condicionava o recebimento da pensão pelo marido à invalidez – o que não é o caso do autor da ação. A redação atual da norma, alterada nos anos seguintes, não traz mais esse requisito.

Na análise do caso, o relator, ministro Dias Toffoli, relembrou que o STF já afastou esse entendimento da legislação mineira que, violando o princípio de que todos são iguais perante a lei (artigo 5 da Constituição Federal), exigia do marido o requisito da invalidez para o recebimento de pensão por morte da companheira.

De acordo com o ministro, requisitos diferenciados entre homens e mulheres para se obter o benefício não atendem ao princípio da isonomia. Toffoli explicou que houve uma mudança na jurisprudência do STF em relação a quando o ministro Carlos Velloso barrou o recebimento do benefício. Por isso, votou por rescindir a decisão anterior e conceder a pensão ao homem. Por unanimidade, os outros ministros seguiram o voto do relator.

Saiba mais sobre a Ação Rescisória – AR 1.857 acessando o site do STF.

Princípio da isonomia

Em outubro, o STF já havia consolidado o entendimento de que a regra para conceder pensão por morte a cônjuge de servidor público deve ser igualitária entre homens e mulheres. O decano Celso de Mello foi relator de um caso que teve origem no Rio Grande do Sul, semelhante ao ocorrido em Minas Gerais.

Na ocasião, advogada e professora Melissa Folmann, presidente da Comissão de Direito Previdenciário do Instituto Brasileiro de Direito de Família – IBDFAM, comentou: “A decisão não é inédita, segue a linha de tantas outras do mesmo Tribunal que reconhece não ser possível, desde a Constituição Federal de 1988, aplicarem-se requisitos diferentes para homens e mulheres ou mesmo restringir o acesso dos homens ao benefício de pensão por morte”.

A especialista observou, no mês passado, que a igualdade entre gêneros ainda está longe de ser alcançada no ordenamento jurídico brasileiro. “Uma demanda destas chegar ao STF representa que estamos longe de alcançar a isonomia entre homens e mulheres, seja pelo viés jurídico, seja pelo viés social”, defendeu. Leia na íntegra.

Fonte: IBDFAM
Deixe seu comentário
 
 
451590

Código de Conduta da Arpen-SP


  1. O site da Arpen-SP incentiva o debate responsável. Está aberta a todo tipo de opinião. Mas não aceita ofensas.
    Serão deletados comentários contendo:
    • - Insulto
    • - Difamação
    • - Manifestações de ódio e preconceito
  2. É um espaço para a troca de idéias, e todo leitor deve se sentir à vontade para expressar a sua.
    Não serão tolerados:
    • - Ataques pessoais
    • - Ameaças
    • - Exposição da privacidade alheia
    • - Perseguições (cyber-bullying) e qualquer outro tipo de constrangimento
  3. Por questões de segurança, não serão aceitos comentários contendo comandos, tags ou hiperlinks.
    Se desejar indicar algum site, digite o endereço textualmente.
    Por exemplo: http://www.arpensp.org.br
  4. Incentivamos o leitor a tomar responsabilidade pelo teor de seus comentários e pelo impacto por ele causado: informações equivocadas devem ser corrigidas, e mal entendidos, desfeitos.
  5. O site defende discussões transparentes. Não se dispõem a servir de plataforma de propaganda ou proselitismo, de qualquer natureza.
  6. Dos leitores, não se cobra que concordem, mas que respeitem e admitam divergências, que acreditamos próprias de qualquer debate de idéias.
  7. Ao critério da administração do site, serão bloqueados participantes que não respeitarem este conjunto de regras.

Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo
Praça João Mendes, 52 - conj. 1102 - 11º andar - Centro - São Paulo - SP - CEP 01501-000
Fone: (55 11) 3293-1535 - Fax: (55 11) 3293-1539
E-mail: arpensp@arpensp.org.br

Nº de Visitas: 143.227.489
Copyright © Assessoria de Comunicação da Arpen-SP

Câmara dos Deputados - Projeto permite retomar o nome e o estado civil de solteiro em caso de divórcio ou viuvez

LEIA MAIS